Brasil é vice campeão mundial em cirurgias cesáreas

Cesaria

Poucas pessoas se dão conta, mas a realidade é que a cesárea é 10 vezes mais arriscada para mãe e 100 vezes mais para o bebê. Salvar a vida da mulher e do filho, esse é o propósito da cesariana. Porém, tem se tornado cada vez mais requisitada por gestantes e médicos, e, segundo o diretor da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Espírito Santo, Zacarias Borges Filho, a explicação está na comodidade em marcar o dia e o horário do nascimento do bebê, além de não sentir dor.

“As pessoas esqueceram do parto normal nos últimos dez anos e agora mais intensamente nos últimos cinco. O panorama tem se mostrado muito ruim e nosso índice de mortalidade materna está começando a aumentar de novo”, comentou o diretor da associação.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) o Brasil é vice campeão mundial em cesárea, perdendo apenas para a República Dominicana. O obstetra do Grupo Meridional, João Gabriel Nicolatti, afirma que na rede privada as cesarianas representam 85% dos partos, número muito superior ao recomendando pela OMS, que é de 15%.

Necessidade da cesárea

Um exemplo de quando a cesariana é necessária é o caso de Adriana Moutinho. Ela engravidou pela primeira vez em 2015, a gravidez foi tranquila até entrar no sétimo mês de gestação quando sua pressão começou a aumentar. Adriana teve pré eclampsia e síndrome de hellp, então os médicos fizeram uma cesárea de emergência porque ela e a bebê corriam risco de vida, mas infelizmente sua filha faleceu 10 dias após o nascimento devido um quadro infeccioso pulmonar.

“Após essa perda eu iniciei a investigação para saber a causa da síndrome de hellp e comecei a me preparar para uma nova gestação, tomei medicamentos para preparar meu corpo e fortalecer meu organismo. Oito meses após dar a luz eu já estava grávida novamente, procurei um obstetra de alto risco que me orientou a tomar injeções diárias de enoxoparina e também estava sendo acompanhada por um hematologista, cardiologista e endocrinologista”, contou Adriana.

Foto: TV Vitória
Heitor em seu nascimento prematuro.
Ao entrar no sétimo mês de gestação, dessa vez, grávida de Heitor Moutinho, Adriana foi há uma consulta de rotina e seu médico pediu alguns exames e neles detectou alteração nas taxas do fígado, ela tinha, novamente, desenvolvido a síndrome de hellp e mais uma vez precisou fazer uma cesárea de emergência. Foi então que nasceu o Heitor, com 1.340 quilos e 39 centímetros. “Hoje, ele está com 1 ano e dez meses, é uma criança sapeca, risonha e saudável, só posso agradecer a Deus e aos médicos que me acompanharam para o sucesso nessa gestação, principalmente ao meu obstetra que me acompanhou, passando os medicamentos necessários e exames na hora certa”, lembrou Adriana.

Segundo o obstetra João Gabriel, aos poucos parece que a consciência da sociedade está mudando, tanto a das mães, quanto a dos médicos. “Existe um forte trabalho de conscientização sobre parto normal a respeito de como ele deve acontecer, existem até outros nomes como parto humanizado e parto adequado, mas a ideia principal é justamente fortalecer que o parto normal é saudável e indicado”, finalizou.



Outras Notícias


Nossa Senhora Rainha

Entenda as principais mudanças da MP da Liberdade Econômica

Assunção de Nossa Senhora

Campanha vai coletar pilhas e baterias de celular usadas

Homens inférteis também podem ter filhos. Saiba como!

Polícia Militar apreende drogas, recupera motocicleta e detém homem com mandado de prisão em Cachoeiro

Ministério confirma 1.226 casos de sarampo no Brasil

Manifestantes se concentram em frente ao teatro da Ufes para ato público contra cortes na educação

Inteligência Artificial vai ajudar Governo a combater fraudes no Detran

Prefeitura consegue que Justiça reautorize Festa de Alegre

Incaper receberá um milhão de investimentos em infraestrutura até 2023

Espírito Santo confirma primeiro caso de sarampo em Cariacica

Santos Ponciano e Hipólito

Cachoeiro-ES terá recadastramento biométrico neste mês

Obesidade avança e mata 4 milhões de pessoas no mundo, diz relatório da ONU

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.