Veja os municípios do ES que estão em situação de alerta ou risco de chikungunya, dengue e zika

2bd0aea0-cea8-0135-8ee5-6231c35b6685--minified

No Espírito Santo, 27 cidades estão em situação de alerta de surto de dengue, zika e chikungunya, de acordo com o novo Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2018. A capital do estado, Vitória, está na lista. O município de Pedro Canário está em situação de risco.

No Espírito Santo, a maior parte dos criadouros foi encontrada em depósitos domiciliares (1.771), seguida de depósitos de lixo (705) e água (458). A informação foi divulgada pelo Ministério da Saúde (MS) na tarde desta quarta-feira (12).

Confira a lista das cidades:

Afonso Cláudio
Águia Branca
Aracruz
Bom Jesus do Norte
Cachoeiro de Itapemirim
Cariacica
Colatina
Conceição da Barra
Guarapari
Ibatiba
Iconha
Iúna
Jerônimo Monteiro
Laranja da Terra
Linhares
Marilândia
Montanha
Pedro Canário*
Pinheiros
Presidente Kennedy
Santa Teresa
São Mateus
Serra
Sooretama
Viana
Vila Pavão
Vila Velha
Vitória

Nesta quarta-feira, em Brasília (DF), o presidente Michel Temer e o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, entregaram mil caminhonetes para diferentes regiões do país, como força efetiva no combate ao mosquito, no atual cenário de risco dos municípios, em relação ao mosquito Aedes aegypti. Ao todo, o Ministério da Saúde investiu R$ 109,4 milhões na aquisição dos veículos.

Com essas caminhonetes os estados e municípios podem acoplar os equipamentos de fumacê para ações locais. Na ocasião, o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, apresentou os dados do LIRAa e lançou o Sistema Integrado de Controle de Vetores (SIVector), que substituirá o Sistema do Programa Nacional de Controle da Dengue (SISPNCD) com informações georreferenciadas para o controle do Aedes aegypti e Aedes albopictus.

Monitoramento
Todas as capitais do país realizaram um dos monitoramentos de mosquito: 25 realizaram o LIRAa; e duas, armadilhas. Estão com índices satisfatórios os municípios de Curitiba (PR), Teresina (PI), João Pessoa (PB), Florianópolis (SC), São Paulo (SP), Macapá (AP), Maceió (AL), Fortaleza (CE) e Aracaju (SE). As capitais com índices em estado de alerta são: Manaus (AM), Belo Horizonte (MG) Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), São Luís (MA), Belém (PA), Vitória (ES), Salvador (BA), Porto Velho (RO), Goiânia (GO) e Campo Grande (MS).

Já as capitais Palmas (TO), Boa Vista (RR) Cuiabá (MT) e Rio Branco (AC) estão em risco de surto de dengue, zika e chikungunya por apresentarem Índice de Infestação Predial (IIP) igual ou superior a 4%. As capitais Natal (RN) e Porto Alegre (RS) fizeram o levantamento por armadilha. Todas as formas de coleta de dados ocorreram no período de outubro e novembro deste ano.

Dados nacionais
Em todo o país, 5.358 municípios, 96,2% da totalidade de cidades, realizaram algum tipo de monitoramento do mosquito transmissor dessas doenças, sendo 5.013 por levantamento de infestação (LIRAa/LIA) e 345 por armadilha. A metodologia armadilha é utilizada quando a infestação do mosquito é muito baixa ou inexistente.

O Ministério da Saúde recomenda aos municípios que realizem ao menos quatro vezes ao ano o LIRAa. Em janeiro de 2017, a pasta publicou Resolução nº 12 que torna obrigatório o levantamento entomológico de infestação por Aedes aegypti pelos municípios e o envio da informação para as Secretarias Estaduais de Saúde e destas, para o Ministério da Saúde. A realização do levantamento está atrelada ao recebimento da segunda parcela do Piso Variável de Vigilância em Saúde, recurso extra que é utilizado exclusivamente para ações de combate ao mosquito. Até então, o levantamento era feito a partir da adesão voluntária de municípios.

Dados epidemiológicos
Dengue – Até 10 de novembro, foram notificados 228.042 casos de dengue em todo o país, um pequeno aumento em relação ao mesmo período de 2017 (226.675). A taxa de incidência, que considera a proporção de casos por habitantes, é de 109,4 casos/100 mil habitantes. Em comparação ao número de óbitos, a queda é de 21% em relação ao mesmo período do ano anterior, passando de 173 mortes em 2017 para 136 neste ano.

Chikungunya – Até 10 de novembro, foram notificados 82.382 casos de chikungunya em todo o país, redução de 55% em relação ao mesmo período de 2017 (183.281). A taxa de incidência, que considera a proporção de casos por habitantes, é de 39,5 casos/100 mil habitantes. Em comparação ao número de óbitos, a queda é de 81% em relação ao mesmo período do ano anterior, passando de 189 mortes em 2017 para 35 neste ano.

Zika – Até 10 de novembro, foram notificados 7.544 casos de zika em todo o país, redução de 54% em relação ao mesmo período de 2017 (16.616). A taxa de incidência, que considera a proporção de casos por habitantes, é de 3,6 casos/100 mil habitantes. Neste ano, foram dois óbitos por Zika.



Outras Notícias


São Barnabé

Após protestos contra cortes na Educação, greve geral está marcada para o dia 14

IV Encontro Estadual de Juventude Negra capixaba será realizado em Itapemirim

Fim das Reservas Legais transformaria o Espírito Santo em um deserto

Santo Anjo da Guarda de Portugal

Senai abre mais de mil vagas em cursos técnicos para o segundo semestre

Homem é encontrado morto em praia de Kennedy

Junho Vermelho: campanha destaca a importância da doação de sangue

Governo apresenta proposta de mudança no Código de Trânsito Brasileiro; veja o que muda

Sarampo pode causar perda auditiva, aponta especialista

Festas juninas e férias escolares aumentam riscos de acidentes com queimaduras

ProUni abre inscrições no dia 11 de junho para bolsas no 2º semestre

Inscrições para o Fies poderão ser feitas a partir de 25 de junho

Estudantes podem se inscrever no Sisu

São Crispim

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.