Papa denuncia veneno mortal da inveja e único pecado imperdoável

Angelus_1 (1)

No Angelus deste domingo, 10, o Papa Francisco refletiu sobre o Evangelho de hoje que apresenta dois tipos de incompreensão que Jesus teve que enfrentar: a dos escribas e a dos seus próprios familiares.

O Papa explicou que os escribas eram homens instruídos nas Sagradas Escrituras e encarregados de explicá-las ao povo. Alguns deles foram mandados de Jerusalém para a Galileia, onde a fama de Jesus começava a se difundir, para desacreditá-lo, serem fofoqueiros e destruir a credibilidade de Jesus.

“Esses escribas chegaram até a Galileia com uma acusação terrível, eles iam no centro e diziam: ‘Ele está possuído por Belzebu e expulsa os demônios pelo príncipe dos demônios. Isto queria dizer, mais ou menos, ‘este homem é um endemoniado’. De fato, Jesus curava muitos doentes, mas eles queriam fazer crer que Ele não o fazia com o Espírito de Deus, mas com o com o Espírito do mal”.

Blasfêmia e inveja
Diante desta acusação, Jesus reage com palavras fortes e claras, pois os escribas, talvez sem perceber, estavam caindo no pecado mais grave: negar e blasfemar o Amor de Deus que está presente e atua em Jesus.

“A blasfêmia é o pecado contra o Espírito Santo, é o único pecado imperdoável, assim o diz Jesus, porque parte do fechamento do coração à misericórdia de Deus que age em Jesus”, afirma o Santo Padre.

Francisco explica que este episódio contém uma advertência para todos: “De fato, pode acontecer que uma forte inveja pela bondade, pelas obras boas, de uma pessoa, possa levar à acusá-la falsamente. Aqui está um veneno mortal, a malícia premeditada para destruir a boa fama do outro. Que Deus nos liberte desta terrível tentação”.

O Papa destaca ainda que, se ao examinar a própria consciência percebe-se que esta semente do mal está germinando dentro de si, é preciso ir rápido e confessá-la no sacramento da penitência, antes que ela cresça e produza seu efeitos negativos.

“Fiquem atentos, vocês, porque este comportamento destrói famílias, amizades, comunidades e até mesmo a sociedade”, afirmou.

Nova família
Em seguida, Francisco falou sobre outra incompreensão sofrida por Jesus: a de seus familiares. “Eles estavam preocupados porque a sua nova vida de itinerante lhes parecia uma loucura e ele não tinha nem tempo para comer”.

Quando o procuram para levá-lo de volta a Nazaré, Jesus olha para as pessoas que estavam à sua volta e afirma: “Eis minha mãe e meus irmãos! Aquele que faz a vontade de Deus é irmão, irmã e mãe para mim”.

O Papa explica que Jesus formou uma nova família, não mais baseada em relações naturais, mas na fé Nele, em seu amor que acolhe e une as pessoas no Espírito Santo. “Todos aqueles que acolhem a palavra de Jesus são filhos de Deus e irmãos entre si”, destacou.

“Aquela resposta de Jesus não foi uma falta de respeito por sua mãe e seus parentes; ao contrário. Para Maria, foi o maior reconhecimento, porque precisamente ela é a perfeita discípula que obedeceu totalmente à vontade de Deus”, esclareceu o Santo Padre.



Outras Notícias


Aeroporto de Vitória é vendido a empresa suíça por R$ 437 milhões

São Cirilo de Jerusalém, sacerdote e bispo

São Patrício, sacerdote missionário

Idosa é atropelada em cima da faixa de pedestre em Cachoeiro

Bolsonaro anuncia o fim de radares nas rodovias federais

Outono chegando: limpeza correta pode prevenir doenças respiratórias

Como os pais podem ajudar a desenvolver a aprendizagem bilíngue dos filhos

CPF vira documento único para acessar informações e benefícios do governo

Índice que reajusta aluguel acumula taxa de 7,68% em 12 meses

Páscoa: lojistas e fabricas de chocolate preveem 10% de aumento do faturamento no ES

Fique atento às datas: Provas do Enem serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro

Santo Inocêncio - Promotor da Paz

Mulher é detida com drogas e produtos roubados

Adolescentes consomem bebidas alcóolicas cada vez mais cedo

Trabalhador levará 40 anos para chegar a 100% do benefício, diz ministério

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.