Após um mês, dependente internado por filha diz que usar drogas é burrice

Anapaula

Passado um mês da primeira internação involuntária no Centro de Referência em Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod), no Centro de São Paulo, o ex-vendedor Reinaldo Rocha Mira, 61 anos, paciente internado após ser dopado pela filha, diz que usar drogas é “burrice” e que pretende dar palestras como voluntário para tentar recuperar outros dependentes químicos.
“O uso de qualquer substância química é uma burrice que a gente não consegue sair. A gente fica cego”, afirma Reinaldo, sobre o consumo de drogas. Ele está internado no Hospital Lacan, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. A unidade de saúde possui uma parceria com o governo do estado e recebe pacientes que fazem tratamento contra a dependência química. Reinaldo foi o primeiro paciente internado involuntariamente após o início do programa lançado pelo governo estadual, que colocou juízes e promotores de plantão para atender medidas de urgência e acelerar casos com necessidade de internação.
Em entrevista, o paciente diz que já se sente recuperado e irá pedir a segunda via da sua documentação assim que receber alta hospitalar para procurar um emprego. “Vou trabalhar, nem que seja para vender sucata, mas não vou ficar na dependência de ninguém.”
No último sábado (23), ele recebeu uma permissão para passar quatro dias na casa da filha e depois retornar ao hospital. O procedimento faz parte do processo de ressocialização. Segundo a unidade de saúde, o dependente não recebe alta e, assim que retorna, fica internado por mais 15 dias. Depois, faz uma nova avaliação do quadro psiquiátrico. No período, ele reencontrou familiares, entre eles um filho que não via há seis anos, conheceu uma neta e frequentou a igreja.
Ele diz agora que pretende ajudar na recuperação de outros dependentes. “Vou dar palestras em igrejas e ajudar como voluntário contando minha história e tentando convencer outras pessoas a deixarem essa vida.”. Reinaldo, que parece ter recuperado a lucidez, conta que leu dois livros religiosos nos últimos dias. Após assistir às imagens da internação compulsória na televisão, ele concordou com a ação. “Tem que levar à força mesmo, eles não têm discernimento para decidir”, afirma.
A autônoma Ana Paula Mira, de 33 anos, conta que o período em que seu pai passou no hospital psiquiátrico foi marcado por desencontros entre os dois e muita esperança na recuperação do paciente.
Com direito a visitar o pai apenas uma vez por semana, Ana Paula só conseguiu encontrar com o paciente em dois dias durante o mês. “Mudaram o horário de visita e não me avisaram. Quando cheguei, não me deixaram entrar”, diz a filha.
Com regras definidas e restrições impostas aos familiares, o Hospital Lacan autoriza que o paciente dê um telefonema diário, com duração de três minutos. Esse foi o método de comunicação mais utilizado entre os dois.
Caso
Em 21 de janeiro, após o lançamento do programa de enfrentamento ao crack, a autônoma decidiu ir ao Cratod para tentar internar involuntariamente seu pai, que vivia na situação de morador de rua e era usuário da drogas havia mais de dois anos
Como o usuário não queria se submeter a um tratamento, a filha dopou o pai com um calmante colocado em um suco para conseguir levá-lo ao Cratod. Depois de esperar mais de 24 horas em um leito provisório, o paciente foi encaminhado para uma vaga no hospital psiquiátrico.
A aparência do paciente mudou após sua internação e chocou a filha, que pôde ver mais claramente o efeito das drogas. “Eu me assustei quando o vi sem barba, pois a aparência dele é de um homem de 80 anos. Ele está muito magro, abatido”, conta Ana Paula.
No entanto, aos poucos, o dependente foi recuperando sua autoestima nos últimos 30 dias e diz frequentemente que deseja operar as varizes e arrumar os dentes quando deixar o hospital. “Quando liga, me pede para levar hidratantes e até a marca do xampu que deseja usar, além de óculos de sol”, conta Ana.
O paciente só percebeu que havia sido internado contra a vontade para o tratamento da dependência química quando chegou ao Lacan. “Dias depois ele me ligou e disse que eu tinha conseguido enganá-lo. Mas depois agradeceu pela minha atitude, pois sabia que eu queria o melhor para ele”, diz a autônoma.
Ana conta que o pai usa drogas há mais de 20 anos, entre idas e vindas, e que espera que ele fique internado no mínimo seis meses. “Estou confiante na recuperação dele, está com força de vontade. Mas tenho medo que ele receba alta em breve e sofra uma recaída por causa da abstinência”, diz.
Com receio da agitação do paciente, a filha pretende entretê-lo com os netos para garantir a reaproximação familiar. “Tenho medo de que fique impaciente em casa e volte para as ruas”, confessa.


vanessa - Postado mais de 6 anos atrás
ola que deus ilumine essa familia estoria de amor de filha mt linda deus fiellllllllll


Outras Notícias


Governo quer salário mínimo de R$ 1.040 para 2020

Senai Cachoeiro lança primeira turma do Curso de Qualificação Confeiteiro

Benefícios do chocolate: como aproveitar a Páscoa sem pagar o alto preço das contraindicações

Brasil é vice campeão mundial em cirurgias cesáreas

Mulher é morta em distrito de Alegre com pedra de 20 quilos na cabeça

Obras em trecho da rodovia do Valão são retomadas

Operação Quimera efetua prisões e afasta secretários em Vargem Alta

Justiça do ES não cumpre leis de prisão domiciliar para presas com filhos

São Crescente, foi martirizado por não negar a Jesus Cristo

Espetáculo da Paixão de Cristo terá duas apresentações em Jaciguá

Defensoria denuncia racionamento de água em presídio de Cachoeiro

Ministério registra aumento do consumo e produção de orgânicos no Brasil

Santo Isidoro, buscava a salvação das almas

Hospital do ES é condenado por dar falso diagnóstico de HIV

CNC projeta alta de 1,5% para as vendas da Páscoa contra 2% de 2018

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.