'Cine parto' vira festa de família com espumante em maternidade

Sala

Um bebê é exibido diante da câmera segundos depois do nascimento. Em uma sala no mesmo andar, familiares se emocionam em frente à tela de 52 polegadas e, para comemorar, abrem uma garrafa de espumante.

Cenas como essas se repetem diariamente numa maternidade em Niterói, na região metropolitana do Rio, que abriu o “cine parto” há cerca de um ano.

Lá, parentes e amigos das gestantes assistem ao vivo à chegada da criança num auditório com capacidade para 20 pessoas sentadas.

Por R$ 200, eles alugam o espaço e acompanham pela televisão o trabalho da equipe médica na sala de parto da maternidade São Francisco, localizada em uma área nobre do município (a 13 km do Rio). As imagens são captadas por uma câmera instalada no alto do centro cirúrgico. Já a gestante pode ver a festa da família por uma outra televisão colocada próxima aos médicos.
“Achei muito interessante. Nos trouxe uma alegria ainda maior. As imagens nos tiram aquela expectativa, além de dar a emoção de estarmos juntos”, afirmou Maria Célia Tostes Picanço, 58.

Na última terça, ela e 23 parentes e amigos assistiram na sala do “cine parto” ao nascimento de seu neto Matheus.

“O objetivo nosso foi unir a família e acalmar os ânimos”, disse Jair Albuquerque, dono da clínica.

“Já trabalho há muito anos nessa área e sei que toda a família fica ansiosa numa hora dessas. Alguns querem entrar no centro cirúrgico. Com o ‘cine parto’, fica tudo mais tranquilo”, explicou. A maternidade diz que é a única no país a oferecer o serviço.

As imagens do parto não são inteiramente transmitidas para os familiares. Eles só acompanham em tempo real o que acontece na sala de cirurgia após o corte ter sido feito na barriga da gestante.

Depois disso, a médica, que atua como diretora, libera o sinal para o auditório. Mesmo assim, o espectador tem a visão bem limitada por causa da distância da câmera, que é posicionada atrás do médico.

“Não entramos no campo cirúrgico. Além de respeitar o profissional, que está trabalhando, preservamos também os familiares. Eles não veem o bisturi, o corte, sangue. A intenção é mostrar apenas o nascimento da criança”, conta Albuquerque.

O dono da maternidade disse que inicialmente enfrentou a resistência dos médicos, mas que atualmente os cerca de cem profissionais que trabalham na clínica aderiram ao serviço.

A obstetra Elizabeth Irene Alves era uma das que resistiu ao “cine parto”. “Estranhei no início, mas essa inovação deixa todos mais relaxados na família e não nos atrapalha”, disse a médica após realizar mais uma sessão em frente à câmera.


zaninha_faria@hotmail.com - Postado mais de 6 anos atrás
Quero saber quanto custa o parto co o cine parto.estou para ganhar pelo sus mas dependendo do valor posso fazer particular.


Outras Notícias


São Barnabé

Após protestos contra cortes na Educação, greve geral está marcada para o dia 14

IV Encontro Estadual de Juventude Negra capixaba será realizado em Itapemirim

Fim das Reservas Legais transformaria o Espírito Santo em um deserto

Santo Anjo da Guarda de Portugal

Senai abre mais de mil vagas em cursos técnicos para o segundo semestre

Homem é encontrado morto em praia de Kennedy

Junho Vermelho: campanha destaca a importância da doação de sangue

Governo apresenta proposta de mudança no Código de Trânsito Brasileiro; veja o que muda

Sarampo pode causar perda auditiva, aponta especialista

Festas juninas e férias escolares aumentam riscos de acidentes com queimaduras

ProUni abre inscrições no dia 11 de junho para bolsas no 2º semestre

Inscrições para o Fies poderão ser feitas a partir de 25 de junho

Estudantes podem se inscrever no Sisu

São Crispim

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.