Leia: OPINIÃO DO PSICÓLOGO Dr.Fernando Fiuza 3511-1060/9989-3561

Dr fernando

CLÍNICA DR. FERNANDO FIUZA

PARAR DE FUMAR, OBESIDADE, ESTRESSE, HÁBITOS VICIOSOS
Praça Pedro Cuevas JR. 24 – Sala 201 – 3511-1060 – 9989-3561
Tratamento individual e em grupo


Cliente difícil.

A médica não sabendo mais o que fazer com o cliente alcoólatra, que apresenta graves problemas cardíacos e que não está conseguindo parar de beber, encaminha-o para o psicólogo, para que este consiga ajudá-lo a largar o vício.
Ao chegar ao psicólogo, o profissional lê a ficha do paciente com o encaminhamento da colega médica, e faz a clássica pergunta. Qual é o seu problema e o que eu posso fazer para ajudá-lo? Olha seu doutor, eu trabalho numa roça de café, plantando, colhendo, carregando e no final do dia, no caminho para a minha casa, tem um bar, em que tomo a minha cerveja, às vezes uma cachacinha, joga conversa fora com os amigos, fala mal das mulheres, do governo, do patrão, e depois vai para casa, com a alma lavada. Estou há um mês sem beber nada e a médica sugeriu que eu viesse falar com o senhor.
O profissional, coça a cabeça e pensa, o que eu posso sugerir para este cliente?
Aconselhá-lo a parar de beber, não vai adiantar, porque após um dia duro de trabalho, sob um sol escaldante e um calor intenso, nada melhor do que tomar uma cerveja para relaxar. Por outro lado se eu falar isto para ele, a cardiologista vai querer me matar e ele não pode beber, porque ele tem vários problemas cardíacos.
Melhor seria se ele passasse pelo bar, e fosse direto para casa, tomasse um banho para relaxar, jantasse, assistisse à televisão e fosse dormir.
Mas como o paciente, já é um alcoólatra, o profissional, explica-lhe que as cervejas, possuem de 3º a 4º graus, os vinhos 12º graus, e as cachaças, vodcas, uísque, em média 50º graus.
Então o profissional, explica-lhe, que já que ele não consegue parar de beber, eles vão fazer um acordo. Ele poderá tomar só cerveja, mas muito moderadamente, intercalar com um refrigerante, beliscar alguma coisa para proteger o estômago, conversar um pouco com os amigos e ir para casa mais cedo. O paciente concorda muito feliz, pois está doido para tomar a sua cerveja e vai embora da consulta. Já o psicólogo não fica tão tranquilo assim.
Só quando ele ao conversar com a cardiologista, que é muito brava esta diz! Sei que você fez o melhor possível, e eu (médica), que estive a beira da morte e sobrevivi, por coisa muito pior, talvez este infeliz também sobreviva.
Só após esta conversa com a médica, é que o psicólogo, voltou a ficar com a consciência mais tranquila.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
E-mail – fernandoffiuza@yahoo.com.br
Site= www.clinicadeorientacaopsicologica.com
Tel. (28) 3511-1060 (28) 99989-3561


Conflito Ético

Magda, 50 anos, casada, de Aracuí.

Trabalho como gerente financeira, numa empresa de mármore, e o problema é o meu irmão que sempre vive em dificuldades econômicas. Ele está com uma dívida de R$ 800.000.00 reais e pediu que eu retirasse uma quantia em dinheiro da firma onde trabalho para emprestá-lo, devido à pressão que ele está sofrendo do agiota, com ameaça de morte, a quem ele deve, e a outras pessoas. Quero ajuda-lo, mas não posso retirar o dinheiro da empresa, que não é meu.
Qual é a sua opinião?
Pelo seu relato, você disse que ele está sempre com problemas financeiros, e você não pode mexer no dinheiro que não é seu para resolver o problema dele. Mas você pode orientá-lo, para que ele se desfaça de algum bem que ele tenha, para que ele sane as suas dívidas com os seus próprios recursos. Quanto às ameaças de morte, que o agiota está fazendo, isto é uma pressão para forçar o pagamento de sua dívida.
Acho que você deve levar o problema do seu irmão para a sua família, para ver como podem ajuda-lo melhor. Fazerem um levantamento de suas dívidas, solicitar redução dos juros, aumentar o prazo do pagamento. Talvez você ou algum parente, tenham algum bem que não estão utilizando e possam disponibilizá-lo para ajuda-lo nesta emergência.
Mas, nunca retirar o dinheiro da firma onde você trabalha, porque não é ético, correto, e se você for descoberta, você deve ser demitida, processada, e terá de devolver o dinheiro desviado. Porque se o seu irmão, não puder restituir o valor retirado rapidamente, quem estará numa situação muito difícil, é você, e talvez até respondendo criminalmente pelo seu ato.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
E-mail – fernandoffiuza@yahoo.com.br
Site= www.clinicadeorientacaopsicologica.com
Tel. (28) 3511-1060 (28) 99989-3561


Alessandra, 45 anos, casada, de Condurú.

Tenho facilidade de engordar, estou com 95 kg e tenho me sentido muito mal com este peso. Já tentei várias dietas e não consegui emagrecer. Muitas amigas estão na mesma situação que a minha, compram remédios anunciados em revistas, ou por indicação de colegas, fazem uso e depois voltam a engordar. Muitas vezes, fico abatida, desanimada, achando que nunca mais vou emagrecer.
O que acha de minha situação?
A internet, também vende remédios para emagrecer, em geral são verdadeiras bombas, que prometem milagres para redução de peso sem dieta, sem a prática de exercícios físicos. Quem compra estas drogas, geralmente ficam doentes e acabam nas Unidades de Tratamento Hospitalar, as UTI, dos hospitais, muitas vezes com sérios prejuízos no organismo, podendo levar até a morte se não forem socorridas a tempo.
O mais correto num processo de emagrecimento, é que a pessoa perca no máximo 5 kg por mês, com orientação médica, dieta (reeducação alimentar) e exercícios físicos.
Uma das primeiras coisas que podem afetar o indivíduo obeso é o aumento da pressão arterial, diabetes, dores constantes no joelho e no calcanhar.
No aspecto psicológico, as pessoas acima do peso, ficam com a autoestima afetada, sentimento de frustração ao experimentar roupas e por vezes o evitamento sexual, por não achar-se atraente para o parceiro ou não sentir-se desejada por ele.
As razões, mais comuns dentre outras para a obesidade, são as seguintes; a origem genética, a ansiedade e problemas na tireóide. A ansiedade ocorre em 80% dos casos destas pessoas.
Com a ajuda de um endocrinologista, do nutricionista (reeducação alimentar), de atividades físicas e de um psicólogo que vai ajudar a trabalhar a
sua autoestima, a perseverança e a motivação para conseguir o que deseja.

Portanto, com a ajuda de uma equipe multidisciplinar, você conseguirá emagrecer de forma saudável, com saúde e segurança, sem voltar a engordar novamente.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
E-mail – fernandoffiuza@yahoo.com.br
Site= www.clinicadeorientacaopsicologica.com
Tel. (28) 3511-1060 (28) 9989-3561


A relação sádico-masoquista.

Rafaela, 29 anos, casada, de Cachoeiro de Itapemirim.

Meu marido vive criticando-me por qualquer coisa, colocando defeitos no meu corpo, nas minhas atitudes, em tudo o que faço. Temos um filho e moro em casa cedida pela minha mãe, e sinto-me muito insatisfeita com esta situação.
Tento conversar com meu marido, mas ele não me ouve, não me respeita, não dialoga comigo.
O que acha a respeito?

Rafaela queixa-se do seu marido que não conversa com ela, não a respeita e vive magoando-a. Mas parece que ela não tem feito nada para mudar esta situação, mas escrever esta carta já é um início. Será que porque ela ser do lar acomodou-se com esta situação. Se a casa em que moram é sua, já fica mais fácil se vocês se separarem.

Acredito que você deve tentar dialogar com o seu marido, para tentar melhorar o relacionamento do casal, que está desgastando-a tanto. Além de criticá-la tanto, você comentou que ele vive recebendo ligações pelo celular de outras mulheres, aí as coisas ficam mais difíceis ainda.
Rafaela vive uma relação muito difícil com o seu marido, e ainda acha graça, das atitudes infantis dele, que por ser um profissional de transportes, viaja muito e fica mais fácil ele justificar as suas ausências, já que ele vive viajando.
Temos então um casal que convive numa relação sado – masoquista. Ela numa posição masoquista (que gosta de sofrer, de bancar a coitadinha, a infeliz). Ele numa posição sádica (gosta de fazer sofrer, humilhar e torturar).
Acredito que vocês devam procurar fazer uma Terapia de Casal, pois este relacionamento parece-me bastante doentio.
Mas se o seu marido não concordar com a Terapia de Casal, você deve procurar fazer uma terapia individual, para orientar-se melhor em relação a sua vida.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
E-mail – fernandoffiuza@yahoo.com.br
Site= www.clinicadeorientacaopsicologica.com
Tel. (28) 3511-1060 (28) 9989-3561


O vício do fumo.

Sebastiana, 60 anos, viúva, mora em C. de Itapemirim.
Sou fumante há 52 anos, comecei a fumar aos 8 anos de idade, porque meu avô me dava cigarros e acabei me viciando. Sinto hoje muitas dores no corpo, principalmente nas juntas, durmo mal, estou perdendo peso e me sinto muito cansada.
Fui encaminhada para tratamento psicológico, para parar de fumar.
Qual a sua opinião a respeito?
O psicólogo deverá tentar motivá-la para deixar o vício, dar-lhe suporte terapêutico para que você não abandone o seu tratamento, tentar conscientizá-la dos danos que já causaram a sua saúde, pois o cigarro possui 4.727 substancias tóxica, sobre o gasto financeiro que você já teve. Quem fuma, por exemplo, um maço de cigarros por dia, vai gastar em média, C$ 100,00 reais por mês, C$ 1.200,00 por ano. Se você fumou por 40/45 anos, deve ter gasto em sua vida, C$ 50.000,00.
Você citou que nos últimos exames, seu pulmão não tinha sido afetado, mas seria bom consultar-se com um pneumologista, para fazer uma avaliação mais atualizada. A Prefeitura de C. de Itapemirim, já disponibiliza há vários anos, um serviço de Apoio ao Tabagismo, com equipe multidisciplinar, e também fornece gratuitamente medicamentos, como remédios e adesivos, para o combate ao fumo.
Enfim, apesar do seu histórico ser complexo, tem 60 anos, fuma há bastante tempo, já apresenta sintomas, devido ao uso tão prolongado do tabaco, isto não é motivo para desanimar.
O importante é que você quer parar de fumar, está motivada para lutar contra o vício.
Superar vícios sem ajuda profissional é muito difícil, alguns até conseguem, mas são uma minoria.
Mas com ajuda profissional, é bem mais fácil, contando com profissionais tais como psicólogo, médico, enfermeiro, e tomando a medicação indicada para superar o seu vício, você tem boas chances de alcançar o sucesso almejado.

Clinica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
Email: fernandoffiuza@yahoo.com.br
Site= www.clinicadeorientacaopsicologica.com
Tel. (28) 3511-1060 e (28)9 9989-3561.


*Namorado descontrolado.

Silvia, 27 anos, solteira, comerciária, de Itapemirim.

Estou conhecendo uma pessoa há alguns meses, porém noto que ele se irrita por qualquer coisa e muda o seu comportamento quando bebe.
Ele consultou-se com um médico gastroenterologista, que após examiná-lo, receitou remédios e sugeriu que ele procurasse também um psicólogo.
Qual é a sua opinião a respeito?
Recentemente em Vitória, uma mulher ao ir a uma festa na casa do namorado dela, onde comeram, bebeu e foram embora. Ao entrarem no carro, percebendo que ele estava embriagado, ela tentou tirar a chave do carro, mas foi agredida com socos e pontapés, jogando-a para fora do carro. Ao cair na rua, continuou sendo agredida e foi socorrida por populares, que chamaram a polícia. Ela não quis dar queixa, ele entrou no carro, mas a polícia ao perceber que ele estava bêbado, o prendeu.
Outro paciente, quando chegava a sua casa, após beber muito, tentava agredir a esposa e as filhas, e elas tinham que sair de casa, geralmente á noite, dormir no mato, e só retornar para casa, ao amanhecer, quando ele estava mais calmo.
Pelo que percebemos então, o álcool, tem o poder de alterar, agitar, desequilibrar e enlouquecer as pessoas.
Se o seu namorado, fica um tanto alterado quando bebe um pouco a mais, vice deve pesquisar se ele tem pessoas com problema de nervos na família. Talvez as alterações dele, sejam ainda leves.
Porém se o médico sugeriu, que ele procurasse ajuda psicológica, você deve levá-lo ao profissional, para que este avalie melhor o caso, e deverá encaminhá-lo também ao psiquiatra, se ele achar necessário.

Clinica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
Email: fernandoffiuza@yahoo.com.br
Site= www.clinicadeorientacaopsicologica.com
Tel. (28) 3511-1060 e (28)9 9989-3561.


Mulher confusa

Joana, 32 anos, casada, de Muqui.
O meu problema é que sempre procuro ir para casa mais tarde, quando saio á noite, para evitar que o meu marido esteja acordado. Ajo desta forma, porque quando vamos transar, ele demora muito a chegar ao orgasmo. Ele para, descansa, toma um copo d’água e volta a transar novamente. Até ele gozar, eu já estou esgotada fisicamente.
O que acha de minha situação?
Joana relata o seu marido prolonga tanto o ato sexual, que quando chega ao orgasmo ela já está muito cansada.
Existem várias técnicas indianas, as técnicas tântricas, em que o homem controla o orgasmo, ou pode tê-lo, mas sem ejacular ou perder a ereção, e que quando chega ao orgasmo, ele tem orgasmos múltiplos.
A anorgasmia é quando as pessoas tem dificuldade de chegar ao orgasmo, e ocorre ainda hoje em 30% das mulheres, devido a traumas sexuais, infantis ou adolescentes, distúrbios hormonais ou má lubrificação vaginal.
No caso da Joana, seu marido parece apresentar a ejaculação retardada, que é uma disfunção sexual, em relação à ejaculação. Ele fica excitado, tem ereção firme, mas é incapaz de ejacular, mesmo que esteja transando por bom tempo. Ele até cria uma situação de constrangimento para ele, que se empenha em atingir o orgasmo e não consegue. É comum suar, se esforçar por mais de uma hora, deixar a parceira exausta e nada.
Em muitos casos, o homem proporciona prazer a sua parceira, e então, retira o pênis de sua vagina e se masturba diante da mulher atônita que fica sem entender nada e se sente rejeitada. Às vezes, ele finge o orgasmo, se retira para o banheiro e se masturba em segredo.
Homens com esta disfunção devem procurar uma terapia sexual, com um psicólogo, onde são empregadas técnicas psicoterápicas associadas a experiências sexuais especificamente estruturadas para resolver o problema.


Amor virtual

Rosa, 39 anos, casada, de Cachoeiro da Itapemirim.
Como meu casamento, está muito mal, monótono, sem graça, entrei na internet para conhecer outras pessoas. Numa sala de bate papo, conheci um homem que estava sozinho, começamos a conversar e nos relacionar. Já estamos conversando há três meses e estamos muito envolvidos. Conversamos, namoramos virtualmente e até trocamos presentes. Ele diz que está apaixonado por mim e eu por ele. O problema é que mandei a foto de outra pessoa para ele, e dei o nome de outra pessoa, Carla para ele.
O fato agora é que ele está ansioso para me conhecer, eu também estou gostando dele, mas estou com medo de perdê-lo, quando ele me conhecer de verdade.
O que acha do meu caso?
Até o Papa Francisco, reconheceu que a internet é fascinante. É só apertar as teclas, para ter acesso a uma série de informações, do mundo, de pessoas, etc.
Apesar de você ser a Rosa e não a Carla, não ser também a pessoa da foto que enviou para ele, houve todo um clima de sedução, de romance, de juras de amor, namoro virtual e você deve explicar-lhe que não fez isto para magoá-lo, mas para não perdê-lo, porque também está gostando dele e quer materializar o sonho de vocês.
Na vida, é melhor tentarmos realizar o que queremos, do que ficarmos lamentando o que deixamos de fazer.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
Tel. (28) 3511-1060 e (28) 9989-3561.


Pai frágil, filho rebelde.

Aparecida, 56 anos, casadas, duas filhos, mora em Aracuí.
Um dos meus filhos, de 37 anos foi abandonado pela mulher. Voltou a morar lá em casa e o problema é que ele não trabalha, não faz nada o dia inteiro e ainda bebe.
Meu marido é aposentado, ganha um salário mínimo e eu com as faxinas que faço, ganho uns R$ 300,00 reais por mês. Estou cada vez mais doente, desgastada com esta situação. Ao falar com o meu marido, ele diz que é para deixar por isso mesmo e não falar nada com ele.
Qual a sua opinião?
Realmente é uma situação muito estranha, peculiar.
Nos Estados Unidos, quando os filhos fazem 17,18 anos já foram estimulados a fazerem cursos profissionalizantes, trabalhar e morar sozinhos. Se o seu filho fosse um usuário de drogas, seria até pior, porque além de também não trabalhar poderia até roubar as coisas de casa, para vender e comprar drogas.
Porém, esta situação mostra a desestrutura de sua família. O casamento é uma sociedade e quando um dos parceiros foge das regras, como beber todo dia, por exemplo, vai abalar toda a família.
Em minha opinião, está faltando mais firmeza em seu conjugue, para exigir que seu filho trabalhe e volte a morar sozinho. Pela renda de vocês, não dá para sustentar um filho que não trabalha, não ajuda em casa, e ainda gasta o pouco que vocês ganham com bebidas. Além de provocar acentuado desgaste psicológico, vocês devem ser motivo de piadas, de chacotas, dos seus vizinhos e parentes.
Procurem ajuda psicológica, através de um profissional que dê assistência as famílias, uma Terapia Familiar, para reestruturar a sua família, antes que as coisas piorem ainda mais.



Dificuldade de Assumir.

Valéria, 26 anos, casada de Jerônimo Monteiro. Sou de Colatina, e ao casar-me fui morar em J. Monteiro com o meu

marido e o meu filho em J. Monteiro. Porém, sinto-me muito sozinha por estar
longe dos meus parentes e só.
Estar rodeada dos familiares do meu marido. Estes só sabem me criticar,
colocar defeitos em tudo o que faço, na educação do meu filho e do meu corpo.
Ao reclamar com o meu esposo, ela diz para não levar em conta o que
eles falam e o que importa é a nossa vida e a do nosso filho.
O que pode sugerir?
A sua situação é muito mais comum, do que você pensa, porque as
mulheres em geral são muito apegadas aos seus familiares. Você pode
atenuar a grande saudade que sente por eles, visitando-os e convidando-os
para visita-la.
Sugiro também, que aprenda uma profissão para que você possa
realizar-se mais trabalhando fora de casa ou em casa mesma numa atividade
que você goste de fazer.
A crítica que você está sofrendo dos parentes deles pode ser devido à
inveja, ciúmes, suas habilidades, qualidades, etc. Afinal, é muito natural os
parentes, acharem que eles não tem defeitos, só os membros de outra família.
Você já tem 26 anos, é casada, tem um filho pequeno, tem que assumir
a sua família, que são o seu marido e o seu filho. Sem ligar para as críticas a
seu respeito, pois se as críticas são válidas, devemos ouvi-las para nos
aprimorarmos. Mas se não tem nenhum fundamento, nem devemos ligar para o
que estão falando.
Procure então fazer estas mudanças em sua vida, fazendo cursos, não
ligando para as críticas vazias e sem sentido que estão lhe fazendo. E se
sentir-se frágil, desanimada para tentar mudara sua vida, procure ajuda
psicológica, para que o profissional possa motivá-la e acompanhá-la nos
projetos de sua vida.


Marido Atordoado

Romário, 33 anos, casado, de Muqui.

Sou casado há 2 anos, não tenho filhos e durante todo o ano passado, só cheguei a transar com minha mulher por 10 vezes. Ela é uma mulher muito bonita, atraente, mas não tem interesse sexual, nunca quer transar e nunca pode na hora que a procuro.
Com isto me sinto muito desanimado, deprimido, pois quando quero namorar com ela recebo sempre um não. Sinto-me bem no meu trabalho, mas fico triste quando tenho de voltar para casa. O que o Senhor acha da minha situação?
Os maiores problemas sexuais no homem, são a impotência e a ejaculação precoce. E na mulher é a falta de desejo, dores na penetração e ressecamento no canal vaginal.
Geralmente, quando casamos com uma pessoa, é por amor, atração física, vontade de ficar junto, e constituir uma família. O sexo é muito importante para o casamento. Cita que a sua mulher é muito bonita e atraente. Por isto, será que ela foi muito mimada e também é uma pessoa muito egoísta e imatura?
Primeiro, temos de tentar descobrir o que está havendo com vocês.
Casaram-se por amor? Por conveniência? Ela gosta de você? Ela tem algum bloqueio ou trauma sexual? Sugiro que você coloque para ela a sua insatisfação com esta situação tão absurda.
Afinal a sexualidade é uma necessidade normal, tanto no homem quanto na mulher. Você citou também que na hora do sexo, ela pede pressa, para acabar o mais rápido possível. Esta conduta dela já está afetando-o, pois você parece estar desanimado, deprimido e pode também gerar uma ejaculação precoce.
Sugiro que a acompanhe a sua esposa a um ginecologista, e talvez seja necessário fazer uma terapia sexual.
Procurem então a ajuda profissional sugerida, pois o casal não está bem, você parece-me muito infeliz com a situação atual, e se nada for feito, o casamento pode acabar se desfazendo.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – Psicólogo.
E – fernandoffiuza@yahoo.com.br.
Tel. (28) 3511-1060 (28) 9989-3561.


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

A relação sádico-masoquista.

Rafaela, 29 anos, casada, de Cachoeiro de Itapemirim.

Meu marido vive criticando-me por qualquer coisa, colocando defeitos no meu corpo, nas minhas atitudes, em tudo o que faço. Temos um filho e moro em casa cedida pela minha mãe, e sinto-me muito insatisfeita com esta situação.
Tento conversar com meu marido, mas ele não me ouve, não me respeita, não dialoga comigo.
O que acha a respeito?
Rafaela queixa-se do seu marido que não conversa com ela, não a respeita e vive magoando-a. Mas parece que ela não tem feito nada para mudar esta situação, mas escrever esta carta já é um início. Será que porque ela ser do lar acomodou-se com esta situação. Se a casa em que moram é sua, já fica mais fácil se vocês se separarem.
Acredito que você deve tentar dialogar com o seu marido, para tentar melhorar o relacionamento do casal, que está desgastando-a tanto. Além de criticá-la tanto, você comentou que ele vive recebendo ligações pelo celular de outras mulheres, aí as coisas ficam mais difíceis ainda.
Rafaela vive uma relação muito difícil com o seu marido, e ainda acha graça, das atitudes infantis dele, que por ser um profissional de transportes, viaja muito e fica mais fácil ele justificar as suas ausências, já que ele vive viajando.
Temos então um casal que convive numa relação sado – masoquista. Ela numa posição masoquista (que gosta de sofrer, de bancar a coitadinha, a infeliz). Ele numa posição sádica (gosta de fazer sofrer, humilhar e torturar).
Acredito que vocês devam procurar fazer uma Terapia de Casal, pois este relacionamento parece-me bastante doentio.
Mas se o seu marido não concordar com a Terapia de Casal, você deve procurar fazer uma terapia individual, para orientar-se melhor em relação a sua vida.

Clinica de Orientação Psicológica
Fernando Fiuza
E: fernandoffiuza@yahoo.com.br
Tel.(28)3511-1060 e (28) 9989-3561

==================

Regina, 52 anos, separada, de Piúma.

Tive câncer no seio, operei-o e precisei retirá-lo. Vou fazer uma operação de reconstituição da mama e também vou ter de retirar a vesícula.
Fui muito infeliz no meu casamento, tenho sentido-me muito abalada e desanimada. Acho que ninguém gosta de mim e não tenho vontade de sair de casa.
O que acha de minha situação?.
Paula, na época com 22 anos, ao viajar de Cachoeiro para Marataízes, sofreu um acidente de trânsito e ficou paraplégica. Achava que sua vida tinha acabado, parou de estudar, não queria mais sair de casa por vergonha de si mesma.
Quanto menos esperava, um rapaz de sua igreja começou a interessar-se por ela. Seus familiares a princípio foram contra ele, achando que o rapaz só estava interessado nela, devido à indenização que ela tinha recebido da empresa de ônibus.
Recentemente, as amigas de Paula, foram convidadas para o chá de bebê do seu filho, fruto do seu casamento com o rapaz da igreja.
Acredito Regina, que você mesma é quem está rejeitando-se tanto devido ao casamento infeliz, doenças e operações que fez em sua vida.
A maioria das mulheres fazem uma cobrança exagerada em relação ao seu corpo, como se ele não pudesse envelhecer.
A principio acho que você deve procurar um médico, para tomar uma medicação antidepressiva, e também desenvolver uma série de atividades, tais como; exercícios físicos, frequentar cursos que você goste,aprender coisas novas , frequentar o grupo da Terceira Idade,grupos de filantropia, etc. Acredito que com o relacionamento com várias pessoas novas, diferentes,você perceberá o quanto estava errada em relação a si mesma, com uma visão tão rígida, preconceituosa e negativa .
Se, entretanto, com o uso da medicação e a prática de algumas atividades sugeridas, você não melhorar então você procurar ajuda psicológica, para que o profissional faça com que você reaja de maneira mais positiva em relação a sua vida, a aproveite de forma plena e mais completa, sem medos, nem receios de ser feliz.

Clinica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
(28) 3511-1060 e (28) 9989-3561.
Email; fernandoffiuza@yahoo.com.br.


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Manoela, 43anos, comerciante, de Marataízes.

Estou separada do meu marido e meu filho foi passar férias com ele que mora em Alegre, meu filho pediu para morar com o pai e eu consenti.

Passado algum tempo, eu comecei a entrar em depressão, estou com queda de cabelo e desinteresse sexual.
Meu médico sugeriu que procurasse o psicólogo e gostaria de sua opinião a respeito?
Recentemente, um jornal do Estado, noticiou que uma pessoa saiu de casa na quinta-feira, sem dizer para onde e após quatro dias sumido, sua família foi a delegacia. Pelas fotos dos jornais, um vizinho do local onde ele estava localizou-o. Ao ser encontrado, disse que entrou em depressão, porque os papéis do seu divorcio tinham chegado e também porque tinha feito um mau negócio com a sua moto.
A profissão do bancário, por exemplo, é uma das mais estressantes do país, cerca de 70% destes profissionais apresentam doenças como LER ou Síndrome de Bournaut, distúrbio provocado pelas precárias relações de trabalho, que podem causar depressão, fadiga física e mental.
Recentemente, um advogado processou e ganhou uma causa contra determinado banco, porque o funcionário adquiriu síndrome de pânico e foi indenizado em R$ 150 mil reais por sofrer pressão exagerada no trabalho.
As situações de estresse, desconforto, podem causar muito mais danos ao indivíduo do que tínhamos conhecimento antes. Hoje sabemos que o estresse exagerado, por exemplo, pode até causar uma cegueira. Porém, felizmente, é uma cegueira temporária e com o tratamento psicológico a pessoa recupera a visão.
As situações de perda, devido ao afastamento, morte, tendem a causar sensações de desânimo, apatia, tristeza e desmotivação (sexual, alimentar e vontade de fazer as coisas).
Porém, com a ajuda psicológica e médica, você deverá sair deste estado depressivo, afinal seu filho só está afastado de você. E vendo-o com mais regularidade, para matar as saudades dele, você deverá sair mais facilmente deste estado de apatia e tristeza, pela qual está passando e sair deste estado de apatia.

Clínica de Orientação Psicológica
Tel.(28)3511-1060 (28) 9989-3561.
Fernando Fiuza – psicólogo.
Email: fernandoffiuza@yahoo.com.br


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Carolina, 30 anos, separada, de Iconha.

Moro com meus pais, tenho uma filha de 15 anos, estou separada e desempregada.
Não gosto de minha aparência e sou muito carente, tenho muito ciúme do meu namorado e fico ligando para ele toda hora e tenho dificuldades de relacionamento com a minha filha e os meus pais.
Já fui a muitos médicos falar dos meus problemas e o último com que me consultei, sugeriu que eu procurasse um psicólogo, porque ele acha que meus problemas são de fundo emocional, tenho de fazer muitas mudanças e este profissional poderá me ajudar muito.
O que o Sr. acha de minha situação?
Realmente a indicação do médico está correta, pois você tem de fazer uma série de mudanças em sua vida, como; capacitar-se para se recolocar no mercado de trabalho, praticar exercícios físicos para melhorar a sua autoestima e depressão, conhecer novas pessoas para valorizar-se mais e aprender a lidar melhor com os outros, avaliar suas atitudes com o seu namorado e aprender a lidar melhor com a sua filha e os seus pais.
Todas estas mudanças de comportamento e de atitudes são difíceis, mas necessárias, e muitos vão apoiá-la, mas sempre tem aquelas que vão desanimá-la.
Porém, fazendo os cursos, praticando esportes, você conhecerá outras pessoas, que a ajudarão a perceber-se melhor, de maneira menos crítica e com maior aceitação de si mesma.
Com o apoio psicológico, você terá mais ânimo, disposição, para fazer as mudanças indispensáveis em sua vida para que você consiga alcançar mais sucesso, felicidade, em vez de ficar se lamentando de suas infelicidades e incertezas.

Clínica de Orientação Psicológica.
Tel: (28)3511-1060, (28) 9989-3561.
Fernando Fiuza – psicólogo.
Email: fernandoffiuza@yahoo.com.br


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Perigos virtuais

O Espírito Santo deve a exemplo do Rio de Janeiro, disponibilizar notebooks, para os alunos das escolas da rede estadual, para a inserção destes no mundo digital. Porém com os devidos cuidados, para que os alunos não possam acessar jogos, programas, sites inadequados para a sua formação intelectual.
Até para as pessoas adultas, ou que acham que sabem usar a internet, podem ser lesadas, quando respondem emails, entram em sites desconhecidos e podem ter seus dados bancários roubados e o seu dinheiro é transferido para a conta destes elementos.
Em geral, todas as pessoas podem ser lesadas, mas os mais prejudicados são os jovens e as mulheres.
Uma jovem, por exemplo, achava que se correspondia com um rapaz, quando ele pediu que ela levantasse a blusa para ver os seus seios. Ela o fez e mais tarde descobriu que estava namorando uma mulher.
Surgiu na internet, um homem bastante sedutor, que se fazia passar por uma pessoa muito carente, solitária, que estava à procura de um grande amor. Depois de conquistar as suas “vítimas”, ele comentava que estava passando por grandes dificuldades financeiras e precisava de ajuda de suas namoradas, para concretizar o sonho de amor deles. Só de uma namorada de Brasília, ele pegou R$ 40.000,00. Assim que o dinheiro foi transferido para a sua conta o “Don Juan”, some e nunca mais responde aos emails de suas amadas.
Recentemente, em Cachoeiro de Itapemirim, um rapaz que estava se comunicando com uma garota pela internet, no dia marcado para o encontro, um “amigo” desta, foi buscá-lo. O rapaz acabou sendo estuprado pelo homem e ficou à mercê deste maníaco por várias horas, até ser liberado.
Imaginemos o estado psicológico deste rapaz, que foi atacado por outro homem, quando foi encontrar-se com uma garota.

Fernando Fiuza – psicólogo.
Clínica de Orientação Psicológica.
Email: fernandoffiuza@yahoo.com.br
Tel: (28) 35111060, (28) 99893561


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Denize, 26 anos, casada, de Conduru

Tenho um filho de 5 anos,trabalho fora e estudo á noite.
O que tem me pertubado,é que soube que meu esposo teve uma filha antes de casar-se comigo.E quando vou falar com ele sobre isto,ele nega,diz que não é verdade e que não quer mais tocar neste assunto.
Moro também perto da minha sogra, que vive me pertubando,criticando tudo que eu faço.Como moro perto dela e ela toma conta do meu filho para que eu estude e trabalhe,minha vida virou um inferno.
O que acha que devo fazer?
Acredito que se você continuar cobrando tanto do seu marido, a respeito desta filha que ele teve fora do casamento, se é que ele teve você poderá acabar perdendo-o, devido ao desgaste desnecessário que você esta provocando no seu relacionamento.
Quanto a você trabalhar fora, estudar, istó é muito bom, mas a sua sogra esta invadindo a sua vida, sua privacidade, isto pode acabar afetando o seu equilibrio emocional.
Já que seu marido é pedreiro e bom profissional, para vocês não é tão dificil, mudar-se, fazer uma nova casa, para morar um pouco mais distante de sua sogra.
Porque ela (sogra) deve ter sido muito infeliz na sua vida, no seu casamento, para estar assim, uma pessoa tão incoveniente.
E você estar vivendo em função do passado, em relação ao seu marido (se ele teve ou não a filha). Procure tentar viver o presente, não em função do passado e pensando no futuro.
Quanto a sua sogra, ela parece estar precisando de ajuda psicológica.
E se você e seu marido, não conseguem enfrenta-la, o melhor é vocês viverem um pouco mais longe dela.

Fernando F.Fiuza
Psicólogo


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Raquel, 46 anos, casada, de Pacotuba.

Tenho um sobrinho de 35 anos, solteiro, que é uma pessoa muito
educada, discreta, organizada e muito apegada a sua família.
Várias pessoas perguntam-me, se ele é gay ou não, devido a ele não
ser casado e também por estar sempre muito ligado aos seus parentes.
Fico muito preocupada com o futuro dele, como é que vai ser a sua vida,
quando ele não tiver mais os seus familiares.
O que pode me orientar a respeito?
Compreendo a sua preocupação, talvez você esteja exagerando um
pouco. Você não informou se ele já namorou uma mulher, com quem ele se
relaciona, quem são os seus amigos. Você parece estar preocupada com o
fato de se ele for gay, de ser agredido. Tem homossexuais, que namoram
mulheres, só para disfarçar a sua opção sexual, isto acontece muito no interior,
onde o machismo e a intolerância são muito maiores.
Ele também pode ter este comportamento, por ter sido muito mimado,
ou por ser muito tímido, isto explicaria também o apego exagerado à família
dele, onde sente-se mais seguro.
Infelizmente, no Brasil, como em outros países, ainda se matam gays,
sem nenhum motivo, devido à intolerância a opção sexual destes. Alagoas é o
Estado do Brasil, campeão na matança de gays.
Se você não tem coragem de conversar com ele sobre o que está
preocupando-a tanto em relação a ele, acho que a melhor maneira de
descobrir seria através dos parentes e dos amigos dele.
E qualquer que seja a sua opção sexual, basta ele ter os devidos
cuidados, tanto na sua vida sexual, quanto na sua vida pessoal, para ele ter
uma vida tranqüila e segura.
Porém se ele for uma pessoa com muita dificuldade de colocar suas
emoções para fora, ou estiver passando por um grande conflito pessoal, ele
deve então procurar ajuda psicológica.
Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – psicólogo.
Email; fernandoffiuza@yahoo.com.br


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Cristiane, 31 anos, casada, de Córrego dos Monos.

Sou casada, tenho uma filha de 5 anos e a nutricionista sugeriu que eu procurasse um psicólogo,porque mesmo fazendo uma dieta rigorosa, não estou conseguindo emagrecer.
Meu marido não conversa comigo, só sabe me criticar e não gosta de sair de casa. Quando o chamo para conversar sobre o nosso casamento, ele diz que posso ir embora, que ele não muda, que ele é assim mesmo.
Tenho me sentido muito triste, desanimada com tudo isto.
O que pode me dizer?
Quando um cliente vai ao dentista, geralmente o profissional aplica uma dose de anestésico, e dependendo do medo e da ansiedade do paciente, o dentista tem de aplicar duas doses. Você está fazendo dieta, estudando, trabalhando, porém reclama do seu desânimo, abatimento, que parece ter a ver com um parceiro tão inadequado, que não dialoga não a apóia, que não gosta de sair de casa.
Em todo relacionamento, de amor ou amizade, o diálogo e o respeito, são de extrema importância. É natural então que a sua autoestima fique tão abalada devido à falta de apoio dele. Como um vendedor, por exemplo, que é um profissional tão importante na sociedade, vai convencer uma pessoa a adquirir um produto, se ele não está bem consigo mesmo, se ele não tem uma boa autoestima. E na vida temos de estar sempre aumentando o nosso networking, conhecendo novas pessoas, ampliando os nossos horizontes, assuntos, idéias, para nosso aprimoramento pessoal e profissional. E com isto tornando-nos melhores e mais realizados consigo mesmos.
Se o seu marido não procurar mudar, não se tornar mais flexível, mais maleável, o melhor que você tem de fazer é orientá-lo a buscar ajuda psicológica o mais rápido possível.
Porém se ele não aceitar se tratar, acho que deve pensar melhor sobre a sua vida, porque parece que você não está realizada e feliz ao lado dele.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza –psicólogo.
Email: fernandoffiuza@yahoo.com.br


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Neusa, 63 anos, viúva, de Cachoeiro de Itapemirim.

Ao passar por uma bela morena, o rapaz perguntou-lhe onde ela morava? Ela respondeu que morava em Guarapari. Você é bonita assim porque nasceu em Guarapari, ou Guarapari é bonita assim porque você mora lá.
Neusa comenta através do e-mail, que mora em Guarapari e Cachoeiro de Itapemirim, passando períodos lá e aqui, onde tem negócios a tratar.
Cita que tem uma filha que se separou, tem dois filhos, mora e trabalha em Guarapari, mas fechou-se para o mundo, após separar-se. Só vive do trabalho para casa e da casa para o trabalho, não sai para lugar nenhum, vive triste e aborrecida, sem ânimo e disposição para nada.
Vivo estimulando-a para sair, para procurar um tratamento, ela diz que não tem nada, que não precisa e que está bem assim.
Qual é a sua opinião a respeito?
Este caso serve para mostrar, como uma pessoa, mesmo morando num lugar tão paradisíaco como Guarapari, com praias, enseadas que mais parecem pinturas da natureza, não aproveitam o ambiente onde moram e tem uma vida melhor, por estarem doentes.
Além de ter vida própria, Guarapari recebe turista o ano inteiro de outros Estados, e de fora do país, para tirarem férias, ir á praia, pescar, tem ótimos restaurantes e até já dispõe de aulas de pesca submarina.
Se a sua filha estivesse mais aberta, conheceria mais pessoas de fora, que tem outras culturas, hábitos, isto a ajudaria a dinamizar mais a sua vida, tornando-a mais feliz e descontraída.
Em vez disto, está fechada para o mundo, para o novo, talvez devido a experiências ruins que teve no casamento ou devido a passagens difíceis em sua vida.
Se ela não tem nenhum problema médico, realmente uma terapia psicológica seria muito bom para ela. Para ela livrar-se destas amarras, traumas por quais passou, para sair deste isolamento que ela se impôs, e passar a viver de forma plena e aberta a novas e boas experiências sem medo de ser feliz.

Clínica de Orientação Psicológica
Fernando Fiuza – psicólogo.
Tel. (28) 3511-1060 cel.(28) 9989-3561.
E-mail – fernandoffiuza@yahoo.com.br


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

DROGAS

Na rua, um jovem de uns 17 anos, pede R$ 1,50 a um pedestre. Ao passar por um bar, o dono do bar fala para não dar dinheiro ao jovem, pois ele é usuário de drogas.

Pobre dos nossos jovens, que por motivos diversos, entram no mundo das drogas. Não podemos menosprezar os traficantes, pois eles são bem organizados e usam de várias estratégias. Em Belo Horizonte, por exemplo, uns traficantes mais jovens começaram a vender crack. Quando os traficantes mais velhos, donos do “território”, souberam disto, expulsaram os traficantes mais jovens daquela região com medo de que aquela droga matasse os seus clientes. Se uma pessoa nunca fez uso das drogas, eles dão de graça para que a pessoa experimente e se torne o seu cliente.
Como diz o ditado popular, “tome conta do seu filho, antes que o traficante o adote”, nunca foi tão verdadeiro como nos dias de hoje.
A falta de limites, a permissividade, a banalização dos valores e a ausência dos pais em relação aos filhos, facilitam a ação dos traficantes em relação a eles.
Tudo acontece em velocidade espantosa. São 12 segundos de alucinação e uma vida inteira de arrependimento depois. “A pessoa fica na compulsão de usar drogas. Fica vulnerável, subnutrida, igual a um zumbi”.
Paulo, depois de usar drogas, tentou matar o seu pai, o seu cachorro e deu um soco na TV. Só se acalmou quando acordou na delegacia. Depois de 30 dias de internação, foi parar num hospital com projeto terapêutico. “Sua família deu-lhe o apoio necessário, quando ele disse que queria se tratar. Ter o apoio da família, como Paulo, pode fazer a diferença entre conseguir ou não derrotar o vício”. Nem sempre a família participa, o que é fundamental para ajudar o usuário a enfrentar o mundo lá fora. Só a internação não é a solução.
Ao primeiro sinal estranho de comportamento do seu filho tais como; desinteresse em geral, desleixo com a própria aparência, tendência ao isolamento, dificuldade de contato, é melhor procurar ajuda psicológica.
O profissional vai fazer uma avaliação e se necessário solicitar a ajuda de um psiquiatra, para ele conseguir melhor livrar-se do vício.

Clinica de Orientação Psicológica
Fernando Fiuza – psicólogo.
Tel. (28) 3511-1060, (28) 9989-3561.


OPINIÃO DO PSICÓLOGO

O Verão e a Obesidade.

Com a proximidade do verão, as pessoas voltam a se preocupar mais com a perda de peso, retomar os exercícios, fazer caminhadas, para chegar no verão, com o corpo em forma.

Várias são as causas, que levam as pessoas a ganhar peso, as principais são: vida sedentária, alimentação errada, problemas com a tireóide, mulheres com ovários policísticos e problemas psicológicos que geram ansiedades.
Além destas causas, existem vários mitos em relação aos alimentos que atrapalham as pessoas na tentativa de perder peso.
Hoje em dia, as pessoas já possuem uma maior conscientização em relação em a sua saúde, e até as empresas já rejeitam os obesos e os fumantes para ingressar em seus quadros funcionais, devido ao fato destes produzirem menos e de adoecer com maior freqüência. E o consumidor já tem uma variedade de produtos muito mais saudáveis, como; alimentos orgânicos, cafés descafeinizados, pães integrais, leites desnatados, geléias e refrigerantes diets e chás saudáveis.
O cliente está muito mais exigente, e a indústria e o comercio rapidamente, se adaptaram para atender este público de pessoas em busca de saúde, ou para pessoas diabéticas (com restrições ao açúcar).
Sabemos que o chocolate, que sempre foi o grande vilão das dietas, faz bem ao coração, ajuda na prevenção das doenças cardiovasculares, derrame e até diabetes. Porém o benefício só vale, se o chocolate for consumido em pequenas quantidades (20 gramas ou dois quadradinhos de uma barra), o equivalente a 140 calorias, por dia, e de preferência ao chocolate amargo, que tem mais cacau e antioxidantes.
Até o porco emagreceu e virou um leve suíno, para melhor competir com a carne bovina, que é mais calórica e a sua grande competidora.
Através de equipe multidisciplinar, constituída por psicólogo (com especialização em obesidade), médico endocrinologista e nutricionista, é feita uma avaliação para identificar na pessoa, o que esta provocando a obesidade.
Identificado o problema, o paciente pode ser tratado de forma individual ou em grupo, e o tratamento deve ser feito de forma saudável e segura, com acompanhamento médico e psicológico.

Clínica de Orientação Psicológica.
Fernando Fiuza – Psicólogo.
Tel: (28) 3511-1060, (28) 9989-3561.
-——————————————————————————————————————-

OPINIÃO DO PSICÓLOGO

Mary,55 anos,casada de Castelo

Minha filha,é cassada e tenho um neto de 5 anos.Estou muito abalada,pois só posso ir na casa de minha filha,avisando antes que vou visitá-la.O outro dia ao ir na casa deles,eles estavam cozinhando umas ervas,que tinha um cheiro muito forte,estranho,e ao sair de lá,e ir para a minha casa,dormi por 2 dias seguidos.Mas o que me preocupa-me muito,é que o meu neto,tentou esfregar o seu sexo nas minhas nádegas e outro momento colocou o sexo para fora,sugeriu que eu o pegasse.

Acho que o meu genro usa drogas (maconha), e tenho medo dele estar abusando do meu neto.
O que acha desta situação?
Entendo o seu desespero, mas talvez o seu neto esteja com a sexualidade
precoce, talvez pelo casal,transar com a porta aberta.
Será que a senhora não esta sendo influenciada pela mídia?
Alguém também pode ter lhe mostrado uma revista erótica, o que pode ter estimulado a sexualidade dele.
Seu relato, porém é preocupante e antes de tomar qualquer medida, a senhora deve levantar mais dados desta situação.
Se a senhora tivesse tido a calma necessária na hora que seu neto falou, ele contaria porque fez isto,e ele diria: “ é assim que o papai faz com a mamãe” ou um parente, é que meu primo mostrou uma revista com desenho.
Assim que levantar a situação você deve conversar com a sua filha, contar para ela o que esta ocorrendo e se necessário acionar o Conselho Tutelar para tomar para tomar as medidas necessárias.

Fernando F Fiuza
Psicólogo


erico reberty@hotmail.com - Postado mais de 5 anos atrás
bom dia dr fiuza gostaria de sabe o que faco para resolverum probela com meu filho lucas de oliveira cardozo ele tem 18 anos atualmente esta desenpregado.ele sente muita baixa auto estimna isso devido a alguns acontecimento com ele por ex ele foi assaltado na porta da escola ele foi indizido a sair com um homemsexual qie lhe ofereu dinheiro mas desse temppo pra car ele esta de forma diferente muito pra baixo ja levei ao psiquiatra tomou remdio mas nao sentiu vontade de voltar eu falei com eçle a seurespeito ele se interessou muito pois sente que presisa ser ouvido.que faco drr agora esta sumindo dinheiro dentro de cas segndo ele pega para conpra roupa de marca com cl iclone entre ouyts iso esta virando umhabito o senhro pode me ajudar antes que ele caia no erro de nada da certo? alias quanto ea consulta com sinho? me ajude erico meu tel e 99049541 eo tel fixo de cass e d35177566 pela manha vc consegue falar com eel ele ok suprer abraco

O Psicólogo Fernando Fiuza Responde - Postado mais de 4 anos atrás
Sr. Erico. O sr. comentou sobre o seu filho, do assalto sofrido por ele, e dele ter se aproximado de um homossexual. O sr. levou-o ao psiquiatra, mas ele não quer continuar o tratamento. Nos casos em que começam a sumir dinheiro de casa, geralmente é usado para a compra de drogas. Porém, ele pode estar pegando coisas de casa, por influência de más compahias. O sr. fez muito bem em tê-lo levado ao psiquiatra, devido a ele estar tão fragilizado. Sugiro que marque uma consulta, pelo telefone 3511-1060, em horário comercial, para podermos avaliar melhor o caso e indicar o tratamento mais adequado para o seu filho.

CRISTIANE SILVA. - Postado mais de 3 anos atrás
OLA DR. FIUZA! ESTOU COM UM PROBLEMAO, SOU SEPARADA TENHO UMA FILHA DE 4 ANOS E ATUALMENTE ESTOU EM UM OUTRO RELACIONAMENTO O QUAL NAO SEI DIZER SE VAI DAR CERTO DEVIDO AO MEU MEDO. CASEI MTO NOVA 22 ANOS LOGO EM SEGUIDA ENGRAVIDEI MORAVA NO QUINTAL DA SOGRA A QUAL NA MINHA FRENTE SEMPRE M TRATOU BEM MAS POR TRAS ENFIAOU A FACA... ME SEPAREI POR MOTIVOS DE CIUMES E POR PALPITES DA FAMILIA. HJ ELE ME MANDA MSGS E LIGA MAS SO QUER SEXO E NADA MAIS E EU ACHO Q TENHO AINDA UMA ESPERANÇA DENTRO DE MIM. NAO SEI SE E SO ISSO OU SE ELE AINDA GOSTA DE MIM. O Q EU FAÇO? QRIA MTO TER MINHA FAMILIA DE VOLTA HA TRES ANOS SOFRO CM ISSO MINHA FILHA ESTA NA FASE DE PERGUNTAS E AS VZS FCO TRISTE CM ELA MSMO SABENDO Q E SO CRIANÇA. A VDD E Q NEM EU E NEM ELE CONSEGUIMOS TER UM OUTRO RELACIONAMENTO 100% NAO SEI O Q ACONTECE. POR FAVOR M DA UM CONSELHO.


Publicidade


Outras Notícias


Novas suspeitas de obras superfaturadas em Presidente Kennedy

Santos Rodrigo e Salomão - Sacerdotes mártires

Veículo com marcas de tiros é encontrado abandonado em bairro de Cachoeiro

Soldados do Exército chegam à Cachoeiro e já atuam em pontos estratégicos

Sesa atualiza dados de febre amarela

ProUni: estudantes capixabas ganham mais prazo para apresentar documentos

Fespes vai denunciar Estado Brasileiro a entidades internacionais de direitos humanos pelo caos no ES

Procurador-geral da República vem ao Estado para dar aval à 'reforma da PM'

Governo abre processo contra 703 militares envolvidos em ‘revolta armada’

Famílias de militares seguem irredutíveis na porta dos batalhões

Nossa Senhora de Lourdes

São Miguel Febres - Padroeiro dos pedagogos

Atenção! Excesso de peso na mochila pode prejudicar saúde das crianças

Peritos aceleram liberação de cadáveres para receber mais corpos no DML

ARENA VERÃO 2017 COMEÇA NESTE FINAL DE SEMANA EM MARATAÍZES

D1 Notícias ©2010-2011. Todos direitos reservados.